Diálogos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
Home Page
Ejemplar actual
Reportajes
  Análisis
  Grandes Plumas
  Acentos
  Entrevista y P&R
  Ecobreves
  ¿Lo sabías?
  Tú puedes
  Libros
  Galería
Ediciones especiales
Gente de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
Geojuvenil
Espacio de debate hecho por jóvenes y para Jóvenes
Geojuvenil
 
Cambio Climático
Proyecto de soporte a negociación ambiental

Cambio Climático

  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Diálogos


"É impossível a clonagem de adultos"

Por Mário Osava*

Rio de Janeiro - Mayana Zatz é uma das mulheres que contribuíram para fazer do Brasil o país mais avançado em matéria de pesquisa genética na América Latina. Zatz coordena o Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo e pesquisa as distrofias musculares progressivas. Também preside uma associação de assistência a crianças doentes e já tem 160 trabalhos publicados em periódicos. Por tudo isso, é uma das cinco ganhadoras este ano do prêmio Unesco/Loreal para Mulheres Cientistas.

P : O que são distrofias musculares?

R: São doenças de origem genética, que provocam degeneração progressiva e irreversível da musculatura e, por isso, causam muito sofrimento ao doente e à sua família. Afetam uma pessoa em cada dois mil nascimentos. Há mais de 30 tipos e o mais grave e comum, a distrofia de Duchenne, se manifesta apenas em crianças, que aos dez anos já necessitam de cadeira de rodas para se locomoverem.

P: Por que a pesquisa desse mal leva a tantos conhecimentos genéticos?

R: Por sua alta incidência e características. Ao estudar os genes causadores conseguimos entender como atuam em sua forma normal e porque causam doenças quando se modificam. A distrofia de Duchenne, por exemplo, é hereditária em dois terços dos casos, e há risco de repetição nas famílias. As irmãs de meninos afetados não apresentam o problema, mas podem passá-lo para seus filhos. A prevenção é importante. Os exames já oferecem um diagnóstico pré-natal seguro, mas faltam na América Latina leis que permitam interromper a gestação ao comprovar-se enfermidade genética grave no feto.

P: A genética é uma área em que os países em desenvolvimento têm melhores condições para progredir, como aconteceu no Brasil?

R: No Brasil temos a grande biodiversidade como vantagem. Na genética humana, a miscigenação favorece estudos em grupos étnicos muito variados. Além disso, temos famílias grandes, fontes de muita informação. São coisas menos comuns nos países industrializados.

P: Por que a senhora é contra a clonagem, mas apóia a terapia genética?

R: A clonagem de pessoas adultas é ilusão, nunca se obterá alguém igual. Se mesmo gêmeos univitelinos criados juntos são diferentes, imagine duas pessoas separadas por anos de idade, embora compartilhem os mesmos genes. Além disso, o uso de células adultas, já adaptadas a funções específicas, sempre causará problemas. É diferente o tratamento com células-mãe, que mantêm a capacidade de se transformarem em outros tecidos, como músculos, fígado ou órgãos para transplante. Estas células estão em grande quantidade nos cordões umbilicais e também em embriões, que poderiamser, por exemplo, os que são descartados nas clínicas de fertilização.

P: Isso não cria problemas éticos?

R: Há quem se oponha, porque os embriões podem servir para clonagem reprodutiva ou serem comercializados. Porém, são polêmicas para o futuro. Um problema ético atual, que a sociedade deve debater, é o uso de exames genéticos, cada dia mais aperfeiçoados. Um é o que identifica, em pessoas que nunca serão afetadas, o risco de ter filhos com distrofia muscular ou outras enfermidades, permitindo evitá-los. Outra refere-se a doenças de manifestação tardia. Um exame pode indicar, por exemplo, que uma pessoa normal terá mutações genéticas ou apresenta maior risco de sofrê-las. Sou contra esses exames que prevêem doenças ainda sem tratamento, porque poderiam servir a interesses de empresas de seguro, de saúde e aos patrões.

P: A senhora aprova a cultura de transgênicos?

R: Sou favorável. Não é muito diferente dos cruzamentos que nos proporcionam a maravilhosa diversidade atual de hortaliças e frutas. Não há risco para a saúde humana, mas, deve-se estudar melhor seu impacto ambiental.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Centro de Estudos do Genoma Humano da USP

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos