Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Caracas já tem seu zoológico “de contato"

Por Andrés Cañizález*

O projeto foi concebido para aplicar as propriedades terapêuticas do contato de crianças com deficiência mental com animais. No lugar oferecem estímulos através de práticas específicas, como a equinoterapia.

CARACAS.- Uma área de dois hectares da capital venezuelana abriga o primeiro zoológico “de contato”, onde pode-se tocar os animais, criado para crianças com deficiência mental ou síndrome de Down. Expanzoo é o nome do parque que abriu suas portas em setembro de 2000, por iniciativa de Omar Nucete, pai de uma jovem deficiente, que financiou o projeto com a renda obtida com um software bancário que inventou. “Ela não era aceita por vários colégios e pensei em buscar uma solução”, disse Nucete ao Terramérica.

Sua idéia original foi, exatamente, criar um colégio, mas, depois, optou pelo que lhe pareceu um projeto mais rentável: um zoológico aberto que promovesse o estímulo de crianças incapacitadas, através do contato com os animais. O projeto ainda está na etapa inicial, e o próprio Nucete não sabe se conseguirá seu objetivo de rentabilidade. No momento, o ingresso custa US$ 10, e só os adultos pagam, e negociam com escolas e instituições oficiais a criação de programas de visita em grupo.

O manejo diário do zoológico está nas mãos do veterinário Daniel García, especialista em fauna silvestre, que se incorporou ao projeto com a chegada dos primeiros animais, em dezembro de 2000. “São animais que desde seu nascimento acostumaram-se ao contato com seres humanos, porque procedem de outros zoológicos, zoocriadores ou de particulares, isto é, de fora de seu hábitat silvestre”, disse o veterinário.

O trabalho do Expanzoo está orientado mais pela intuição de seus administradores do que por outras experiências. Segundo García, na América Latina, apenas o zoológico de Buenos Aires tem um plano parecido, mas não como única nem principal atividade, como é o caso do parque venezuelano, localizado a 30 quilômetros do centro de Caracas. “As crianças com problemas mentais são muito amorosas, estes animais também precisam de carinho. Assim, trata-se de um espaço mais que suficiente para que haja um contato proveitoso”, afirmou.

A equinoterapia é uma das práticas específicas do Expanzoo. Segundo Nucete, é utilizada em muitos centros dos Estados Unidos para estimular. “Montar a cavalo e aproveitar seu movimento significa receber 110 estímulos musculares por minuto, algo que a tecnologia ainda não inventou”, disse ao Terramérica a pedagoga Dania González.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados