Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Apresentado manifesto de ética ambiental

Por María Isabel García e Yadira Ferrer*

O chamado à promoção de uma nova racionalidade ambiental será apresentado pela América Latina e o Caribe na Cúpula Rio+10. O documento ressalta a importância da educação e convoca à prática de uma nova economia - moral, ecológica e cultural.

BOGOTÁ.- Indivíduos, sociedades, empresas e governos devem impregnar-se de uma nova racionalidade ambiental sobre a qual conceber o desenvolvimento econômico e social, afirma um manifesto apresentado por 35 representantes da América Latina e do Caribe. O documento foi assinado no contexto da Sétima Reunião do Fórum de Ministros do Meio Ambiente da América Latina e do Caribe, realizado entre 15 e 17 de maio em São Paulo, após um encontro prévio em Bogotá, Colômbia, do qual participaram políticos, empresários, jovens, acadêmicos, indígenas e afro-americanos.

O documento, que será promovido junto à Cúpula Rio+10, em agosto próximo, na África do Sul, afirma que a educação é o instrumento para criar uma racionalidade ambiental que permita recuperar o valor do simples na complexidade, do local no global, do diverso no único, e do singular no universal. Esta racionalidade deve estar fundamentada em uma “nova economia - moral, ecológica e cultural - como condição de sua sustentabilidade”, afirma o manifesto. Também propõe “uma produção para a vida”, baseada no aproveitamento das fontes de energia renováveis e reconhece o direito inalienável “dos povos indígenas e afro-descendentes ao seu ser cultural”.

A declaração pede que a Organização das Nações Unidas faça com que governos, organismos internacionais “e todos os seres humanos que habitam o planeta” sigam um código de princípios, procedimentos e condutas que garantam a vida e orientem a construção de sociedades sustentáveis. O diretor regional do Pnuma, Ricardo Sánchez, disse ao Terramérica que, apesar das diferenças, o manifesto reflete o consenso sobre “a necessidade de propiciar um movimento que 'domestique' a globalização inevitável, com o critério de que seja o ser humano a dirigir e controlar os processos econômicos e de mercado”.

“A discussão foi riquíssima, pois contou com os que acreditam que se deve aperfeiçoar as políticas econômicas imperantes como também com os que propõem a mudança do sistema. A partir da economia pode-se alegar que aumentará indefinidamente a renda ou o produto das nações, mas não há bons argumentos para demonstrar que aumentará, ao mesmo tempo e sem cessar, a igualdade”, afirmou o professor Julio Carrizosa, do Instituto de Estudos Ambientais da Universidade Nacional da Colômbia. “Os verdadeiros obstáculos à sustentabilidade não serão encontrados na ordem global, mas nas nações, nas regiões e localidades”, afirmou o cientista, que pediu a governos e governados que “reflitam antes de se corromperem, degenerar-se e agredir”.

Beatriz Paredes, presidente do Parlamento Latino-Americano e do Congresso Legislativo do México, disse ao Terramérica que no processo de humanizar o desenvolvimento, a América Latina pode contribuir com “a recuperação da sabedoria das culturas pré-hispânicas e com a aptidão para reconhecer a harmonia”. Para Paredes, o tipo atual de globalização “não beneficia a região”, pois não atende questões prioritárias como ”o respeito aos direitos humanos e à erradicação da pobreza”.

* As autoras são correspondentes da IPS.


Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Pnuma: Fórum de Ministros de Meio Ambiente da América Latina e do Caribe, São Paulo 2002

Manifesto: Por uma ética para a sustentabilidade

Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável

Site da Cúpula em espanhol

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos