Reportajes
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Artigo


A América Latina propõe plano de energia renovável

Por Mario Osava*

Em nome da região, o Brasil chegará à Rio+10, em agosto, com uma proposta concreta e possível de ser quantificada: o uso obrigatório de 10% de fontes limpas de energia para 2010.

SÃO PAULO.- Os governos da América Latina e do Caribe vão propor, na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável de Johannesburgo, uma meta concreta e possível de ser quantificada: o uso obrigatório de 10% de formas limpas de energia até 2010. A adoção de um plano obrigatório em matéria de energia poderia evitar o fracasso, previsto por muitos ambientalistas, da conferência que a Organização das Nações Unidas realizará entre 26 de agosto e 4 de setembro, na África do Sul. Com o apoio da América Latina e do Caribe, o Brasil apresentará, durante a cúpula, esta iniciativa, proposta pelo secretário do Meio Ambiente de São Paulo, José Goldemberg.

Alcançar o propósito de aprová-la como medida obrigatória exigirá um grande esforço internacional, já que em 1998 a energia limpa supria apenas 2,2% do consumo mundial. A iniciativa não enfraquece o Protocolo de Kyoto nem pretende ser uma alternativa a ele, mas sim um acordo adicional para impulsionar a substituição de combustíveis fósseis, explicou o secretário. A excessiva dependência dos combustíveis fósseis - petróleo, carvão e gás - é a principal fonte de gases causadores do efeito estufa que contribui para a mudança do clima no planeta. Trata-se de uma idéia mais aceitável do que o Protocolo de Kyoto, inclusive para os Estados Unidos, onde alguns governos estaduais estimulam essas alternativas, disse Goldemberg, que é físico e foi anfitrião da Cúpula do Rio, quando ocupava o cargo de ministro do Meio Ambiente.

A iniciativa acontece no momento em que alguns governos prevêem frustrações na cúpula da África do Sul, também conhecida como Rio+10, envolta no pessimismo pelo não-cumprimento das convenções e dos compromissos assumidos há dez anos na Cúpula Mundial do Meio Ambiente, no Rio de Janeiro. “Reafirmar os princípios de 1992 já será um avanço”, disse ao Terramérica a ministra do Meio Ambiente da Venezuela, Ana Elisa Osorio, durante o Fórum de Ministros de Meio Ambiente da América Latina e do Caribe, realizado em São Paulo, entre 15 e 17 de maio. A globalização assimétrica e sem ética não favorece o desenvolvimento sustentável, pois beneficia um grupo restrito de países em detrimento dos demais, afirmou Ricardo Sánchez, diretor regional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Os países industrializados tampouco cumpriram o compromisso de aumentar sua ajuda oficial destinada ao desenvolvimento para 0,7% de seu produto interno bruto (PIB). Pelo contrário, a reduziram para 0,2%, lamentou o ministro brasileiro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho. A rejeição dos Estados Unidos ao Protocolo de Kyoto, que estabelece reduções obrigatórias das emissões de gases causadores do efeito estufa para as nações industrializadas, ameaça minar o “único grande avanço” dos últimos dez anos. Neste cenário desalentador, a iniciativa do Brasil em torno da energia renovável refrescou o ambiente. A proposta compreende pequenas centrais hidrelétricas, energia eólica, geotérmica, marítima e a produzida pela biomassa, mas exclui o uso tradicional da lenha, que representa grande desperdício e desmatamento.

A América Latina pode ser a mais beneficiada no intercâmbio de direitos de emissão, mecanismo que permitiria a um país cumprir suas metas de redução de gases financiando projetos “limpos” em outro, de um modo mais simples e “menos ambicioso” do que os mecanismos de Kyoto. Para René Castro, especialista em energia do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e ex-ministro do Meio Ambiente da Costa Rica, este é o caminho correto. O desenvolvimento sustentável mundial avançará a curto prazo sobretudo nas questões energéticas, pois a biodiversidade requer conhecimentos possíveis apenas a longo prazo, ressaltou Castro. De fato, a proposta brasileira é a única meta possível de ser quantificada e com prazos precisos da Iniciativa Latino-Americana e Caribenha, uma síntese das posições comuns aprovadas no fórum ministerial de São Paulo.

Outros objetivos originais em matéria de redução da pobreza e da desigualdade, de saneamento, desmatamento e biodiversidade não foram aprovados, para decepção dos ativistas ambientais presentes ao encontro. É muito pouco para um documento político que nem mesmo estabelece compromissos obrigatórios, protestou Marcelo Furtado, do Greenpeace, que alertou sobre o fracasso de Johannesburgo. “A Rio+10 pode converter-se em Rio-20, revertendo a situação à primeira cúpula mundial do meio ambiente, realizada em Estocolmo em 1972”, ironizou. No entanto, a iniciativa energética deixa clara a unidade política da América Latina e do Caribe em sua disposição de exigir o cumprimento dos compromissos assumidos em 1992, acrescentou.

Sánchez, diretor regional do Pnuma, destacou o “grande valor político” do documento ao definir diretrizes, prioridades e metas orientadoras, passando “do conceitual para a proposta”, afirmou. Assumir metas requer “mudar a globalização, o contexto econômico internacional desfavorável”, acrescentou. As questões econômicas, mais do que as ambientais, converterão a Rio+10 em uma nova batalha Norte-Sul. Os altos subsídios agrícolas aprovados este mês pelos Estados Unidos constituem um duro golpe para o desenvolvimento, a igualdade e a qualidade ambiental da região, ressaltaram Sánchez e representantes de vários países, em especial da Argentina.

Além dos 0,7% do PIB em assistência oficial para o desenvolvimento, a América Latina e o Caribe pedirão aos países industrializados mais recursos financeiros, acesso aos mercados e cancelamento de dívidas dos países pobres, como passos indispensáveis para alcançar o desenvolvimento sustentável. A região também reclamará o fortalecimento de princípios consolidados em 1992, como o de responsabilidades comuns mas diferenciadas, o de precaução e o direito soberano de cada país sobre seus recursos naturais. Finalmente, os países do Caribe têm especial interesse no Protocolo de Kyoto e outras medidas relativas à alteração do clima, cujas manifestações ameaçam essa região com desastres naturais e a elevação do nível do mar.

* O autor é correspondente da IPS.


Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

Crédito: Photo Stock.
 
Crédito: Photo Stock.

Enlaces Externos

Pnuma: Fórum de Ministros de Meio Ambiente da América Latina e do Caribe, São Paulo 2002

Iniciativa latino-americana e caribenha para o desenvolvimento sustentável

Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo: proposta de Goldemberg

Brasil: Ministério do Meio Ambiente

Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável

Site da Cúpula em espanhol

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos