Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Esperança para milhares de corações fracos

Por Mario Osava *

Médicos brasileiros iniciam um estudo pioneiro com células-tronco em pacientes cardíacos. Se for um sucesso, a terapia poderá salvar até 200 mil vidas em três anos.

RIO DE JANEIRO.- Cerca de quatro milhões de pessoas com graves insuficiências cardíacas poderão se beneficiar caso tenha êxito uma pesquisa brasileira prevista para estar concluída no máximo em três anos. O estudo busca comprovar definitivamente a eficácia das células-tronco na recuperação de corações afetados por infarto, isquemia crônica (déficit de oxigenação por problemas circulatórios), dilatação e doença de Chagas. Dezenas de doentes já foram tratados por terapia celular no Brasil e em outros países, com surpreendentes resultados positivos em questão de algumas semanas. Mas esta fase inicial em seres humanos foi destinada principalmente a comprovar a segurança do procedimento de transplantar células-tronco retiradas da medula óssea do próprio paciente para recuperar vasos e tecido cardíaco.
Ainda falta, antes do uso em massa dessa terapia, comprovar sua eficácia em uma quantidade maior de pacientes que permita comparações e afirmar sem dúvidas que a melhora do tecido foi causada pelas células-tronco, explicou Bernardo Rangel Tura, cardiologista e pesquisador do Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras (INCL), do Rio de Janeiro. Por isso, o Ministério da Saúde decidiu realizar o Estudo Multicêntrico Randomizado (ao acaso) de Terapia Celular em Cardiopatias envolvendo 1.200 pacientes, com 300 de cada doença pesquisada. Em cada um dos quatro grupos, a metade receberá células-tronco e os demais terão o melhor tratamento convencional. O estudo já começou com a inscrição de voluntários e as primeiras cirurgias devem começar em dois meses, informou Tura.
Em busca de resultados sem distorções subjetivas, foi adotado um método ao acaso, com sorteios para decidir quais pacientes receberão a terapia celular. Ninguém saberá suas identidades até o fim da pesquisa, e somente dois responsáveis poderão ter acesso a essa informação em caso de necessidade, destacou o especialista. Dessa forma, os resultados terão validade estatística e comparativa para comprovar se as células-tronco determinam uma diferença. É a primeira pesquisa mundial com essa quantidade de pacientes e foram adotados “todos os cuidados metodológicos possíveis”, sem possibilidade de manipulação, afirmou Tura. Aprovada a nova terapia, o Ministério da Saúde a implantará na rede pública e prevê que isso poderá salvar 200 mil vidas a cada três anos, com economia de US$ 15 milhões por mês em tratamentos.
Cada transplante de coração, por exemplo, custa oito vezes mais do que a terapia celular, comparou o médico. Tura destacou seu dever ético de não precipitar conclusões, embora “tudo aponte” para a eficácia da técnica. Nelson Águia é uma das fontes de otimismo. Dois infartos, em 1983 e 1998, enfraqueceram seu coração, apesar da revascularização mediante sete implantes de marca-passo, forçando-o a interromper seu trabalho como representante comercial. “Já não era capaz de subir escadas e estava na fila para transplante de coração”, contou ao Terramérica. Hoje, aos 71 anos, está aposentado, mas voltou a trabalhar normalmente “por terapia ocupacional”. Também está autorizado pelos médicos inclusive a jogar futebol duas vezes por mês em campos pequenos, e sua recuperação se deve à célula-tronco da própria medula óssea.
Águia foi o primeiro brasileiro submetido a essa operação, em dezembro de 2001 no Hospital Pró-Cardíaco, do Rio de Janeiro. “Três meses depois, o resultado era brilhante”, afirmou. Naquela ocasião, outros três pacientes graves receberam o mesmo tratamento, “melhorando sua capacidade de esforço e reduzindo a isquemia”, informou André Souza, médico desse hospital. O Pró-Cardíaco aplicou a terapia celular em outros 14 pacientes em 2003 com resultados semelhantes e “a melhora se mantém dois anos depois”. Um dos pacientes morreu 11 meses depois da operação devido a uma hemorragia cerebral e em sua autópsia o exame do coração “indica a formação de novo músculo cardíaco”, informou Souza. Não está comprovada a transformação das células-tronco em músculo, embora experiências tenham deixado “bastante claro que de fato criam vasos, promovendo nova vascularização”, acrescentou o médico.
O objetivo do Estudo Multicêntrico, do qual o Pró-Cardíaco participa como centro de referência, não é provar essa transformação nem reduzir a mortalidade, mas melhorar a capacidade cardíaca e a qualidade de vida dos pacientes, ressaltou. Este hospital foi cenário em agosto de 2004 de outra experiência inédita e promissora, quando foram introduzidas células-tronco no crânio de Maria de Pomuceno, de 54 anos, que tinha o lado direito do corpo paralisado por causa de um acidente vascular cerebral. A recuperação foi excepcional, já que em menos de três semanas voltou a caminhar, a compreender o que lhe era dito e a balbucear. Experiências semelhantes no Brasil alimentam esperanças de cura ou minimização de inúmeras enfermidades, entre elas diabetes, paralisia, Mal de Parkinson e muitas outras causadas por esclerose ou lesões de órgãos.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Ministério da Saúde

Hospital Pró-Cardíaco

Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos