PNUMA PNUD
Artigo
Edição Impressa
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
English Version Versión en Español
Buscar Archivo de ejemplares  
 
  Home Page
  Reportagens
  Análise
  Destaques
  Ecobreves
  Galeria
  Gente de Terramérica
                Grandes
              Nomes
   Entrevistas
  ¿Quem somos?
  Inter Press Service
Principal fonte de informação sobre temas globais de segurança humana
  PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Artigo


Por que aumenta o buraco de ozônio?

Por Stephen Lehay*

O buraco sobre territórios austrais chileno e argentino alcançará sua maior extensão em meados de setembro. Cientistas ouvidos pelo Terramérica analisam as possíveis causas deste fenômeno.

TORONTO.- A camada de ozônio estratosférica apresenta um enorme buraco sobre a Antártida pelo segundo ano consecutivo, expondo os territórios austrais da Argentina e do Chile a altas doses de radiação solar ultravioleta. O “buraco”, ou estreitamento da camada de ozônio, tem extensão de 25 milhões de quilômetros quadrados e continua aumentando, segundo informação obtida por satélite da Agência Espacial Européia. Pode ser o maior da história. Estes dados parecem contradizer as últimas informações de que a concentração atmosférica de clorofluorcarbonos (CFC), gases que esgotam o ozônio, começou a declinar. De fato, estas substâncias permanecerão na atmosfera por muitas décadas.

Por outro lado, o aumento de outras substâncias esgotadoras do ozônio, como o agroquímico brometo de metilo, e o uso ilegal de CFC indicam que a luta para restaurar a camada protetora de ozônio está longe de terminar. “Podem aparecer novos buracos nos próximos 30 ou 40 anos”, disse ao Terramérica o meteorologista Craig Long, do Centro de Previsão do Clima de Maryland, da Administração Nacional Oceanográfica e Atmosférica dos Estados Unidos. “O buraco deste ano sobre a Antártida atingirá sua extensão máxima em meados de setembro”, previu Long. A data coincide com o Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio, celebrado em 16 de setembro por iniciativa da Organização das Nações Unidas.

“Graças ao Protocolo de Montreal sobre Substâncias Esgotadoras da Camada de Ozônio, o risco das radiações prejudiciais parece estar cedendo”, disse o secretário-geral da ONU, Kofi Annan. O Protocolo, adotado em 1987, obriga 184 nações que o assinaram a eliminar o uso de CFC e de quase cem substâncias químicas que afetam a camada de ozônio, localizada a uma altitude de 15 a 30 quilômetros da superfície terrestre e cuja função é filtrar os raios ultravioletas que prejudicam a saúde. O enfraquecimento dessa camada, pelas emissões humanas de gases nas últimas décadas, aumentou as radiações ultravioletas em todo o mundo, provocando mais casos de câncer de pele, doenças da vista e outros problemas de saúde em humanos e outras espécies animais e vegetais.

De acordo com um estudo do Centro para a Integração da Estatística e da Ciência Ambiental da Universidade de Chicago, a redução global dos níveis de ozônio se atenuou entre 1996 e 2002. Embora seja uma boa notícia, os cientistas são cautelosos. “Algumas substâncias permanecem na atmosfera por muitas décadas, e continuam sendo perigosas”, disse o cientista Sherwood Rowland, em um comunicado. Rowland e seus colegas Mario Molina e Paul Crutzen ganharam, em 1995, o Prêmio Nobel de Química por sua contribuição na identificação dos perigos para a camada de ozônio nos anos 70.

O Protocolo de Montreal permite o uso de substâncias que esgotam o ozônio em situações críticas. Por exemplo, as nações industrializadas deveriam ter eliminado o brometo de metilo no dia 1º de janeiro deste ano. Porém, os horticultores e fruticultores norte-americanos usaram, em 2005, cerca de 20 milhões de quilos deste pesticida, mais do que o aplicado em 2002. Os Estados Unidos convenceram os países que integram o Protocolo que lhes seja permitido utilizar 8,5 milhões de quilos de brometo de metilo em 2006, mais do que usará o resto do mundo rico. Entretanto, existem alternativas a este produto, econômicas e fáceis de usar. Os substitutos dos CFC são amplamente utilizados em todo o mundo, mas seu maior custo deu lugar a um mercado negro em setores como radiadores de automóveis, extintores de incêndio e solventes industriais.

Milhões de libras de CFC entraram contrabandeadas nos Estados Unidos. E, embora aí esteja diminuindo, há um problema emergente na Ásia, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Nessa região existem muitos equipamentos baseados em CFC, apesar dos compromissos assumidos pelas nações asiáticas. Sob o Protocolo de Montreal, os países em desenvolvimento concordaram em reduzir em 50% o consumo de CFC até janeiro de 2005 e eliminá-lo em janeiro de 2010. Isto levou a um aumento do contrabando, afirmou um documento do Pnuma divulgado em janeiro.

As condições climáticas também podem exacerbar o desaparecimento do ozônio sobre as regiões polares. A zona do Ártico apresenta poucos e menores buracos do que a Antártida, mas no último inverno do hemisfério norte sofreu sua maior perda devido ao frio extremo. Alguns especialistas culpam a mudança climática. À medida que o clima da terra vai aquecendo, a atmosfera superior se torna mais fria nas zonas polares, criando as condições ideais para que substâncias como os CFC e o brometo de metilo destruam o ozônio. Embora se saiba mais sobre o impacto da mudança climática no pólo norte, o mesmo processo poderia estar ocorrendo na Antártida, disse ao Terramérica Claus Zehner, da Agência Espacial Européia na Itália.

Definitivamente, o clima local e o grau de respeito ao Protocolo de Montreal determinarão a existência, ou não, de buracos na camada de ozônio na segunda metade do século XXI, disse Zehner. O certo é que nesta primavera do hemisfério sul, os habitantes do Chile, da Argentina e, possivelmente da Nova Zelândia e Austrália, necessitarão se proteger mais do que nunca das radiações solares.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos os Direitos Reservados

 

Links Externos

Agência Espacial Européia

Administração Nacional Oceanográfica e Atmosférica (NOAA) – Pesquisa sobre o Ozônio

Pnuma- Secretariado sobre Ozônio

Terramérica não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.